Documento sem título




 
AS LINGUAS MALÍGNAS
Este artigo foi visto 370 vezes.
 

 

AS LÍNGUAS MALIGNAS

 

Há alguns que, por inveja, e isso equivale a, menosprezar e difamar outros, especialmente aqueles no mesmo negócio ou profissão que o seu, a fim de atrair negócios para si mesmos. Eles dirão coisas malignas como "sua mercadoria é inútil" ou "eles trapaceiam"; que eles não têm nada em casa e que seria impossível dar mercadorias a tal preço; que houve muitas reclamações sobre essas mercadorias; que eles não darão nenhum valor ou desgaste ou o que quer que seja, ou mesmo que seja peso de menos, ou não o comprimento certo, e assim por diante.

Um trabalhador dirá que outro homem não é um bom trabalhador, que ele está sempre mudando seu emprego, que as pessoas não estão satisfeitas com ele, ou que ele não faz nenhum trabalho, que ele só coloca em seu tempo, ou talvez que ele não sabe como trabalhar.

"O que eu estava dizendo lá", eles então acrescentarão, "seria melhor não dizer nada sobre isso. Ele pode perder por ele, você sabe.

"É isso?", você responde. Teria sido melhor se você não tivesse dito nada. Isso teria sido a coisa a fazer.

Um fazendeiro observará que a propriedade do vizinho está melhor que a dele. Isso o deixa muito zangado para que ele fale mal dele. Há outros que difamam seus vizinhos por motivos de vingança. Se você fizer ou disser algo para ajudar alguém, mesmo por razões de dever ou de caridade, eles procurarão oportunidades para difamar você, para pensar em coisas que vão prejudicá-lo, a fim de se vingar. Se o vizinho for bem falado, eles ficarão muito irritados e lhe dirão: "Ele é como todo mundo. Ele tem seus próprios defeitos. Ele fez isso, ele disse isso. Você não sabia disso? Ah, isso é porque você nunca teve nada a ver com ele.

Muitas pessoas caluniam outras por causa do orgulho. Eles acham que, depreciando os outros, eles aumentarão seu próprio valor. Eles querem aproveitar ao máximo suas supostas boas qualidades. Tudo o que eles dizem e fazem será bom, e tudo o que os outros dizem e fazem estará errado.

Mas a grande maioria das conversas maliciosas é feita por pessoas que são simplesmente irresponsáveis, que têm uma coceira para falar sobre os outros sem sentir qualquer necessidade de descobrir se o que eles estão dizendo é verdadeiro ou falso. Eles só têm que falar. No entanto, embora estes últimos sejam menos culpados do que os outros - ou seja, do que aqueles que caluniam e retrocingem através do ódio ou inveja ou vingança - ainda não estão livres do pecado. Seja qual for o motivo que os motiva, eles não devem manchar a reputação de seu vizinho.

Acredito que o pecado da escandalizar inclui tudo o que é mais mau e perverso. Sim, meus queridos irmãos, este pecado inclui o veneno de todos os vícios - a mesmice da vaidade, o veneno do ciúme, a amargura da raiva, a malícia do ódio, e a fuga e irresponsabilidade tão indigno de um cristão.... Não é, de fato, o escandalo que semeia quase toda discórdia e desunião, que rompe amizades e impede os inimigos de reconciliar suas brigas, o que perturba a paz das casas, o que torna o irmão contra o irmão, marido contra esposa, nora contra sogra e genro contra sogro? Quantas famílias unidas foram viradas de cabeça para baixo por uma língua maligna, para que seus membros não pudessem suportar ver ou falar uns com os outros? E uma língua maliciosa, pertencente a um vizinho, homem ou mulher, pode ser a causa de toda essa miséria...

Sim, meus queridos irmãos, a língua má de um escandaloso  envenena todas as virtudes e gera todos os vícios. É a partir dessa língua maliciosa que uma mancha se espalha tantas vezes através de toda uma família, uma mancha que passa de pais para filhos, de uma geração para outra, e que talvez nunca seja apagada.

A língua maliciosa seguirá os mortos para o túmulo; perturbará os restos desses infelizes, tornando ao vivo novamente as falhas que foram enterradas com eles naquele lugar de descanso. Que crime sujo, meus queridos irmãos! Você não estaria cheio de indignação ardente se você visse algum miserável vingativo arredondando sobre um cadáver e rasgando-o em mil pedaços? Tal visão faria você gritar de horror e compaixão. E ainda assim o crime de continuar falando das falhas dos mortos é muito maior. Muitas pessoas costumam falar de alguém que morreu depois dessa moda: "Ah, ele se saiu muito bem no seu tempo! Ele bebia muito.

Ele era tão fofo quanto uma raposa. Ele não era melhor do que deveria ter sido.

Mas talvez, meu amigo, esteja enganado, e embora tudo tenha sido exatamente como você disse, talvez ele já esteja no Céu, talvez Deus o tenha perdoado.

Mas, enquanto isso, onde está sua caridade?

 

 

São João Maria Vianney



 
 

ATENÇÃO! - Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.padresanto.com.br

 


     VEJA MAIS:


  AS LINGUAS MALÍGNAS (370 Hits)
  SOMOS CRIATURAS MISERÁVEIS (148 Hits)
  O TERRÍVEL ESTADO DA ALMA MORNA (169 Hits)
  SOBRE O PECADO (161 Hits)
  O PURGATÓRIO (1260 Hits)
  PRERROGATIVAS DA ALMA PURA (1639 Hits)
  CATECISMO DA SANTÍSSIMA VIRGEM MARIA (1512 Hits)
  CATECISMO SOBRE O AMOR DE DEUS (1185 Hits)
  CATECISMO SOBRE A SALVAÇÃO (1269 Hits)
  MÁ COMPANHIA (1289 Hits)


 
Total Visitas Únicas: 418655 - Usuários online: 30
2009 - www.padresanto.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Espacojames