Documento sem título




 
O TERRÍVEL ESTADO DA ALMA MORNA
Este artigo foi visto 169 vezes.
 

O TERRÍVEL ESTADO DA ALMA MORNA

 

Ao falar com vocês hoje, meus queridos irmãos, do terrível estado da alma morna, meu propósito não é pintar para vocês uma imagem aterrorizante e desesperada da alma que está vivendo em pecado mortal sem sequer ter o desejo de escapar desta condição. Aquela pobre criatura infeliz pode, mas olhar para a frente para a ira de Deus na próxima vida. Infelizmente! Esses pecadores me ouvem; eles sabem bem de quem estou falando neste exato momento.... Não iremos mais longe, por tudo o que gostaria de dizer serviria apenas para endurecê-los mais.

Ao falar com vocês, meus irmãos, da alma morna, também não desejo falar daqueles que não fazem nem seu dever de Páscoa nem sua Confissão anual. Eles sabem muito bem que, apesar de todas as suas orações e seus outros bons trabalhos, eles serão perdidos. Vamos deixá-los em sua cegueira, já que eles querem permanecer assim...

Nem entendo, irmãos, pela alma morna, aquela alma que gostaria de ser mundana sem deixar de ser filha de Deus. Você verá a tal em um momento prostrar-se diante de Deus, seu Salvador e seu Mestre, e no momento seguinte prostrar-se diante do mundo, seu ídolo.

Pobre criatura cega, que dá uma mão a Deus e outra ao mundo, para que ele possa chamar ambos em seu auxílio, e prometer seu coração para cada um por sua vez! Ele ama a Deus, ou melhor, ele gostaria de amá-Lo, mas ele também gostaria de agradar ao mundo. Então, cansado de querer dar sua lealdade a ambos, ele termina dando-o ao mundo sozinho. Esta é uma vida extraordinária e que oferece um espetáculo tão estranho que é difícil convencer a si mesmo de que poderia ser a vida de uma mesma pessoa. Vou mostrar-lhe isso tão claramente que talvez muitos entre vocês se machuquem por isso. Mas isso vai importar pouco para mim, pois eu sempre vou te dizer o que eu deveria te dizer, e então você vai fazer o que quiser sobre isso...

Eu diria mais adiante, meus irmãos, que quem quiser agradar ao mundo e a Deus leva uma das vidas mais infelizes. Você verá como. Aqui está alguém que se entrega aos prazeres do mundo ou desenvolve algum hábito maligno.

Quão grande é o seu medo quando ele vem para cumprir seus deveres religiosos; ou seja, quando ele faz suas orações, quando ele vai para a Confissão, ou quer ir para a Santa Comunhão! Ele não quer ser visto por aqueles com quem ele tem dançado e passado noites nos cabarés, onde ele tem se entregado a muitos tipos de licenciosidade.

Ele chegou ao palco quando vai enganar seu confessor escondendo o pior de suas ações e, assim, obteve permissão para ir à Santa Comunhão, ou melhor, para cometer um sacrilégio?

Ele prefere ir à Santa Comunhão antes ou depois da Missa, ou seja, quando não há ninguém presente. No entanto, ele está muito feliz por ser visto pelas pessoas boas que não sabem nada sobre sua vida maligna e entre as quais ele gostaria de despertar boas opiniões sobre si mesmo. Na frente de pessoas devotas, ele fala sobre religião. Quando ele estiver com aqueles que não têm religião, ele só falará sobre os prazeres do mundo. Ele corava para realizar suas práticas religiosas na frente de seus companheiros ou daqueles meninos e meninas que compartilham seus maus caminhos....

Isso é tão verdade que um dia alguém me pediu para permitir que ele fosse à Santa Comunhão na Sacristia para que ninguém o visse. É possível, meus irmãos, que alguém possa pensar em um comportamento tão horrível sem estremecer?

Mas continuaremos e você verá o constrangimento dessas pobres pessoas que querem seguir o mundo. Aqui está a Páscoa se aproximando. Eles devem ir para a Confissão. Não é, é claro, que eles querem ir ou que sentem qualquer desejo ou necessidade de receber o Sacramento da Penitência. Eles ficariam muito satisfeitos se a Páscoa chegasse uma vez a cada trinta anos. Mas seus pais ainda mantêm a prática externa da religião. Eles ficarão felizes se seus filhos forem ao altar, e continuarem instando-os, então, a ir para a Confissão. Nisso, é claro, eles cometem um erro. Se ao menos rezassem por eles e não os atormentassem a cometer sacrilégios. Então, para se livrar da importunação de seus pais, para manter as aparências, essas pessoas vão se reunir para descobrir quem é o melhor confessor para tentar a absolvição pela primeira ou segunda vez

"Olha", diz um, "meus pais ficam me incomodando porque eu não fui à Confissão. Para onde vamos? "Não adianta ir ao nosso pároco; Ele é muito escrupuloso. Ele não nos permitiria cumprir nosso dever de Páscoa. Teremos que tentar encontrar Fulano. Ele deixou este e aquele passar, e eles são piores do que nós. Nós não fizemos mais mal do que eles fizeram.

Outro dirá: "Garanto que se não fosse pelos meus pais, eu não faria meu dever de Páscoa. Nosso Catecismo diz que para fazer uma boa Confissão devemos desistir do pecado e das ocasiões do pecado, e não estamos fazendo nem um nem outro.

Digo-te sinceramente que fico envergonhada toda vez que a Páscoa chega. Ficarei feliz quando chegar a hora de me acalmar e parar de galvanizar. Farei uma Confissão de toda a minha vida, para corrigir as que estou fazendo agora. Sem isso eu não morreria feliz.

"Bem", outro dirá a ele, "quando chegar a hora você deve ir para o padre que tem ouvido suas Confissões até o presente. Ele vai conhecê-lo melhor. "De fato não! Eu vou para aquele que não me daria absolvição, porque ele não iria querer me ver condenado também.

"Minha palavra, você não é bom! Isso não significa nada. Todos eles têm o mesmo poder."

"Isso é uma coisa boa de se lembrar quando estamos fazendo o que devemos fazer. Mas quando estamos em pecado, pensamos o contrário.

Um dia fui ver uma garota que era muito descuidada. Ela me disse que não ia voltar para a Confissão aos padres que eram tão fáceis e que, ao fazer parecer que queriam salvá-lo, te empurraram para o inferno."

É assim que muitos desses pobres cegos se comportam. Eu "Pai", eles dirão ao padre: "Eu vou confessar a você porque nosso pároco é muito exigente. Ele quer nos fazer prometer coisas que não podemos segurar. Ele queria todos nós santos, e isso não é possível no mundo. Ele gostaria que nunca fôssemos a bailes, nem a cabarés frequentes ou diversões. Se alguém tem um mau hábito, ele não vai dar absolvição até que o hábito tenha sido completamente desistido. Se tivéssemos que fazer tudo isso, nunca deveríamos cumprir nosso dever de Páscoa. Meus pais, que são muito religiosos, estão sempre atrás de mim para fazer meu dever de Páscoa. Farei tudo o que puder. Mas ninguém pode dizer que ele nunca vai voltar para essas diversões, já que ele nunca sabe quando ele vai encontrá-los.

"Ah!", Diz o confessor, bastante enganado por esta conversa sincera, "Eu acho que o seu pároco é talvez um pouco exigente. Faça seu ato de contrição, e eu lhe darei absolvição. Tente ser bom agora.

Ou seja, abaixe a cabeça; você vai pisotear no adorável Sangue de Jesus Cristo; você vai vender seu Deus como Judas O vendeu para seus carrascos, e amanhã você irá para a Santa Comunhão, onde você vai proceder a crucificá-Lo. Que horror! Que abominação! Vá em frente, vil Judas, vá para a mesa sagrada, vá e dê a morte ao seu Deus e ao seu Salvador! Deixe sua consciência gritar, só tente abafar seu remorso o máximo que puder... Mas estou indo longe demais, meus irmãos. Deixemos essas pobres criaturas cegas em sua escuridão.

Eu acho, irmãos, que vocês gostariam de saber qual é o estado da alma morna. Bem, é isso. Uma alma morna ainda não está completamente morta aos olhos de Deus porque a fé, a esperança e a caridade que são sua vida espiritual não estão completamente extintas. Mas é uma fé sem zelo, uma esperança sem resolução, uma caridade sem ardor...

Nada toca esta alma: ouve a palavra de Deus, sim, isso é verdade; mas muitas vezes ele só aborrece. Seu possuidor ouve com dificuldade, mais ou menos pelo hábito, como alguém que pensa que sabe o suficiente sobre isso e faz o suficiente do que deveria.

Qualquer oração que seja um pouco longa é desagradável para ele. Esta alma é tão cheia do que ela acabou de fazer ou o que vai fazer a seguir, seu tédio é tão grande, que esta pobre coitada está quase em agonia. Ainda está vivo, mas não é capaz de fazer nada para ganhar o Céu...

Nos últimos vinte anos, esta alma tem sido cheia de boas intenções sem fazer nada para corrigir seus hábitos.

É como alguém que tem inveja de qualquer um que está no topo do mundo, mas que não se dignaria a levantar um pé para tentar chegar lá ele mesmo. Não desejaria, no entanto, renunciar às bênçãos eternas para os do mundo. No entanto, ele não deseja nem deixar o mundo ou ir para o Céu, e se ele pode apenas conseguir passar seu tempo sem cruzes ou dificuldades, ele nunca pediria para deixar este mundo em tudo. Se você ouvir alguém com tal alma dizer que a vida é longa e muito miserável, isso é só quando tudo não está indo de acordo com seus desejos. Se Deus, a fim de forçar tal alma a se desprender das coisas temporais, envia-lhe qualquer Cruz ou sofrimento, é preocupante e de luto e abandona-se a resmungos e reclamações e muitas vezes até mesmo a uma espécie de desespero. Parece que não quer ver que Deus lhe enviou esses testes para o seu bem, para desvincular-se deste mundo e atraí-lo para si mesmo. O que ele fez para merecer esses julgamentos? Neste estado, uma pessoa pensa em sua própria mente que há muitos outros mais culpados do que ele mesmo que não têm que se submeter a tais julgamentos.

Em tempos prósperos, a alma morna não chega ao ponto de esquecer Deus, mas também não se esquece. Ele sabe muito bem como se gabar de todos os meios que empregou para alcançar sua prosperidade. Está bastante convencido de que muitos outros não teriam alcançado o mesmo sucesso. Ele adora repetir isso e ouvi-lo repetido, e toda vez que ele ouve, é com prazer fresco. O indivíduo com a alma morna assume um ar gracioso ao associar-se com aqueles que o lisonjeiam. Mas para aqueles que não lhe deram o respeito que ele acredita ter merecido ou que não foram gratos por suas bondades, ele mantém um ar de indiferença frígida e parece indicar a eles que são criaturas ingratas que não merecem receber o bem que ele fez a eles....

Se eu quisesse pintar um quadro exato, meus irmãos, do estado de uma alma que vive em tibieza, devo dizer-lhe que é como uma tartaruga ou um caracol. Ele se move apenas arrastando-se ao longo do chão, e pode-se vê-lo ficando de um lugar para outro com grande dificuldade. O amor de Deus, que se sente no fundo de si mesmo, é como uma pequena faísca de fogo escondida sob um monte de cinzas.

A alma morna chega ao ponto de ser completamente indiferente à sua própria perda. Não tem nada além de um amor sem ternura, sem ação, e sem energia que a sustenta com dificuldade em tudo o que é essencial para a salvação. Mas para todos os outros meios de Graça, ele olha para eles como nada ou quase nada. Infelizmente, meus irmãos, esta pobre alma em sua tibieza é como alguém entre dois ataques de sono. Ele gostaria de agir, mas sua vontade se tornou tão suavizada que não tem força ou coragem para realizar seus desejos.

É verdade que um cristão que vive em tibieza ainda regularmente - na aparência, pelo menos - cumpre seus deveres. Ele vai realmente ficar de joelhos todas as manhãs para fazer suas orações. Ele irá aos Sacramentos todos os anos na Páscoa e até várias vezes durante os doze meses. Mas em tudo isso haverá tanto desgosto, tanta folga e tanta indiferença, tão pouca preparação, tão pouca mudança em seu modo de vida, que é fácil ver que ele só está cumprindo seus deveres de hábito e rotina.... porque isso é um banquete e ele tem o hábito de realizá-los em tal momento. Suas Confissões e suas Comunhões não são sacrilégios, se quiser, mas são Confissões e Comunhões que não dão frutos, o que, longe de torná-lo mais perfeito e mais agradável a Deus, só o torna mais indigno. Quanto às suas orações, só Deus sabe o que, sem, é claro, qualquer preparação, ele faz disso.

Pela manhã não é Deus que ocupa seus pensamentos, nem a salvação de sua pobre alma; ele é bastante tomado com pensamentos de trabalho. Sua mente está tão envolvida nas coisas da Terra que o pensamento de Deus não tem lugar nela. Ele está pensando no que vai fazer durante o dia, onde enviará seus filhos e seus vários funcionários, de que forma ele vai agilizar seu próprio trabalho. Para fazer suas orações, ele se ajoelha, sem dúvida, mas não sabe o que quer perguntar a Deus, nem o que precisa, nem mesmo antes de quem está ajoelhado. Seu comportamento descuidado mostra isso muito claramente. É um homem pobre que, por mais miserável que seja, não quer nada e ama sua pobreza. É certamente uma pessoa desesperadamente doente que despreza médicos e remédios e se apega às suas enfermidades.

Você pode ver que esta alma morna não tem dificuldade, sob o menor pretexto, em falar durante suas orações.

Sem motivo algum, ele vai abandoná-los, em parte, pelo menos, pensando que ele vai terminá-los em outro momento. Ele quer oferecer o seu dia a Deus, para dizer sua Graça? Ele faz tudo isso, mas muitas vezes sem pensar naquele que é abordado. Ele nem vai parar de trabalhar. Se o possuidor da alma morna é um homem, ele vai virar o boné ou o chapéu em torno de suas mãos como se para ver se é bom ou ruim, como se ele tivesse alguma ideia de vendê-lo. Se for uma mulher, ela fará suas orações enquanto corta pão em sua sopa, ou coloca madeira no fogo, ou chamando seus filhos ou empregada. Se quiser, tais distrações durante a oração não são exatamente deliberadas. As pessoas preferem não tê-las, mas porque é necessário ter tantos problemas e gastar tanta energia para se livrar delas, elas as deixam em paz e permitem que elas venham como quiserem.

O cristão morno pode talvez não trabalhar no Domingo em tarefas que parecem ser proibidas para qualquer um que tenha mesmo o menor fragmento de religião, mas fazer alguma costura, organizar algo em casa, levar ovelhas para os campos durante os tempos para Missas, sob o pretexto de que não há comida suficiente para dar-lhes - todas essas coisas serão feitas sem o menor escrúpulo , e essas pessoas preferem permitir que suas almas e almas de seus empregados pereçam em vez de colocar em perigo seus animais. Um homem vai se ocupar tirando suas ferramentas e seus carrinhos e harrows e assim por diante, para o dia seguinte; ele vai preencher um buraco ou cerca uma lacuna; ele vai cortar vários comprimentos de cordas e cordas; ele vai realizar os churns e colocá-los em ordem. O que acham de tudo isso, meus irmãos? Não é, infelizmente, a simples verdade? ....

Uma alma morna irá para a Confissão regularmente, e até mesmo com bastante frequência. Mas que tipo de Confissões são? Sem preparação, sem desejo de corrigir falhas, ou, no mínimo, um desejo tão fraco e tão pequeno que a menor dificuldade vai acabar com isso completamente. As Confissões de tal pessoa são meramente repetições de pessoas antigas, o que seria um estado feliz das coisas, de fato, se não houvesse nada a acrescentar a eles. Vinte anos atrás ele estava se acusando das mesmas coisas que confessa hoje, e se ele for para a Confissão pelos próximos vinte anos, ele dirá as mesmas coisas.

Uma alma morna não cometerá os grandes pecados. Mas alguma calúnia ou mordida, uma mentira, um sentimento de ódio, de antipatia, de ciúme, um leve toque de engano ou dupla negociação - estes não contam para nada com isso. Se for uma mulher e você não lhe prestar todo o respeito que ela considera que ela deve, ela vai, sob o pretexto de fingir que Deus foi ofendido, certifique-se de que você perceba; ela poderia dizer mais do que isso, é claro, uma vez que é ela mesma que foi ofendida. É verdade que tal mulher não pararia de ir aos Sacramentos, mas suas disposições são dignas de compaixão.

No dia em que ela quer receber seu Deus, ela passa parte da manhã pensando em assuntos temporais. Se for um homem, ele estará pensando em seus negócios e suas vendas. Se for uma mulher casada, ela estará pensando em sua casa e seus filhos. Se for uma jovem, seus pensamentos estarão em suas roupas.

Se for um menino, ele estará sonhando em passar prazeres e assim por diante. A alma morna cala Deus em uma prisão obscura e feia. Seu possuidor não o crucifica, mas Deus pode encontrar pouca alegria ou consolo em seu coração. Todas as suas disposições proclamam que sua pobre alma está lutando pelo sopro da vida.

Depois de ter recebido a Santa Comunhão, essa pessoa dificilmente dará outro pensamento a Deus em todos os dias a seguir. Sua forma de vida nos diz que ele não sabia a grandeza da felicidade que tinha sido dele.

Um cristão morno pensa muito pouco sobre o estado de sua pobre alma e quase nunca deixa sua mente atropelar o passado. Se a ideia de fazer qualquer esforço para ser melhor passa pela sua cabeça, ele acredita que uma vez que ele confessou seus pecados, ele deve ser perfeitamente feliz e em paz. Ele assiste na Santa Missa tanto quanto em qualquer atividade comum. Ele não pensa seriamente no que está fazendo e não encontra problemas em conversar sobre todo tipo de coisas enquanto está a caminho de lá. Possivelmente ele não vai dar um único pensamento para o fato de que ele está prestes a participar no maior de todos os dons que Deus, todo-poderoso como Ele é, poderia nos dar. Ele pensa nas necessidades de sua própria alma, sim, mas uma quantidade muito pequena e fraca de pensamento, de fato. Frequentemente ele se apresentará diante da presença de Deus sem ter ideia do que ele vai pedir a Ele. Ele tem poucos escrúpulos em cortar, com o mínimo pretexto, os Asperges e as orações antes da Missa. Durante o serviço, ele não quer dormir, é claro, e tem até medo que alguém possa vê-lo, mas ele não faz nenhuma violência mesmo assim. Ele não quer, é claro, ter distrações durante a oração ou durante a Santa Missa, mas quando ele deve colocar alguma pequena luta contra eles, ele sofre-los muito pacientemente, considerando o fato de que ele não gosta deles.

Os dias rápidos são reduzidos a praticamente nada, seja avançando o tempo da refeição principal ou, sob o pretexto de que o Céu nunca foi tomado pela fome, tornando a colagem tão abundante que equivale a uma refeição completa. Quando ele realiza ações boas ou benéficas, suas intenções são muitas vezes muito misturadas - às vezes é para agradar alguém, às vezes é por compaixão, e às vezes é apenas para agradar o mundo. Com essas pessoas tudo o que não é um pecado realmente sério é bom o suficiente.

Eles gostam de fazer o bem, ser fiéis, mas eles desejam que não lhes custe nada ou, pelo menos, que custe muito pouco. Eles gostariam de visitar os doentes, de fato, mas seria mais conveniente se os doentes viessem até eles. Eles têm algo a dar em esmolas, eles sabem muito bem que uma certa pessoa precisa de ajuda, mas eles esperam até que ela venha perguntar a eles em vez de antecipá-la, o que tornaria a bondade muito mais meritória. Vamos até dizer, meus irmãos, que a pessoa que leva uma vida morna não deixa de fazer muitas boas obras, para frequentar os Sacramentos, para ajudar regularmente em todos os serviços da Igreja, mas em tudo isso vê apenas uma fé fraca e definhando, esperança que o menor julgamento perturbará, um amor de Deus e do vizinho que é sem calor ou prazer. Tudo o que uma pessoa faz não está totalmente perdido, mas é quase isso.

Veja, diante de Deus, meus irmãos, de que lado vocês estão. Do lado dos pecadores, que abandonaram tudo e mergulharam no pecado sem remorso? Do lado das almas justas, que procuram, mas só Deus? Ou você é do número dessas almas frouxas, tépidas e indiferentes, como nós acabamos de representar para você? Por qual caminho você está viajando?

Quem pode se atrever a assegurar-se de que ele não é nem um grande pecador nem uma alma tépida, mas que ele é um dos eleitos? Infelizmente, meus irmãos, quantos parecem ser bons cristãos aos olhos do mundo que são almas realmente tepidas aos olhos de Deus, Quem conhece nossos corações mais íntimos....

Pedimos a Deus com todos os nossos corações, se estamos neste estado, para nos dar a graça de sair dele, para que possamos tomar o caminho que todos os santos tomaram e chegar à felicidade que eles estão desfrutando. Isso é o que eu desejo por você...

 


 
 

ATENÇÃO! - Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.padresanto.com.br

 


     VEJA MAIS:


  AS LINGUAS MALÍGNAS (371 Hits)
  SOMOS CRIATURAS MISERÁVEIS (149 Hits)
  O TERRÍVEL ESTADO DA ALMA MORNA (169 Hits)
  SOBRE O PECADO (161 Hits)
  O PURGATÓRIO (1260 Hits)
  PRERROGATIVAS DA ALMA PURA (1639 Hits)
  CATECISMO DA SANTÍSSIMA VIRGEM MARIA (1512 Hits)
  CATECISMO SOBRE O AMOR DE DEUS (1185 Hits)
  CATECISMO SOBRE A SALVAÇÃO (1269 Hits)
  MÁ COMPANHIA (1289 Hits)


 
Total Visitas Únicas: 418655 - Usuários online: 29
2009 - www.padresanto.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Espacojames