Documento sem título




 
FREI DANIELE E AS TRÊS HORAS DE PURGATÓRIO
Este artigo foi visto 119 vezes.
 

 

Frei Daniele foi companheiro inseparável do Padre Pio durante longos anos e passou por uma experiência sobrenatural extraordinária, narrada em detalhes no livro “Omaggio a Fra’ Daniele, capuchino”, escrito pelo Pe. Remigio Fiore.

 

Sou um simples irmão capuchinho. Passei toda a minha vida fazendo o trabalho que me correspondia: porteiro, sacristão, pedinte de esmolas, cozinheiro. Frequentemente ia com a minha mochila para pedir esmolas de porta em porta. Fazia as compras diariamente para o convento. Todo mundo me conhecia e me queriam bem. Sempre que comprava alguma coisa, davam-me descontos e aquelas poucas liras que recolhia, em vez de entregá-las ao meu superior, as conservava para as despesas com as correspondências, para as minhas pequenas necessidades e também para ajudar os soldados que vinham bater à porta do convento.

Imediatamente após a guerra, estava em San Giovanni Rotondo, minha cidade natal, no mesmo convento do Padre Pio. Pouco tempo depois, comecei com algumas dores no sistema digestivo e, após me consultar, o médico me diagnosticou uma doença incurável: eu tinha um grave tumor.

Pensando na iminência da morte, me dirigi ao Padre Pio para lhe fazer a comunicação e ele, depois de me ouvir, falou de pronto: "você tem de operar". Confuso, repliquei: “Padre, não vale a pena. O médico não me deu nenhuma esperança. Agora eu sei que vou morrer."

"Não importa o que o médico disse: você deve operar, mas em Roma, em tal clínica, e com tal cirurgião." O Padre Pio falou com tanta segurança e convicção, que simplesmente concordei:

"Sim, Padre, eu vou." Então ele olhou para mim com grande ternura e acrescentou comovido:

"Não tema, eu estarei sempre com você."

Na manhã seguinte, viajei para Roma e, sentado no trem, sentia uma presença misteriosa ao meu lado: era Padre Pio cumprindo a promessa de estar comigo.

Quando cheguei a Roma, soube que a clínica tinha o nome de ‘Regina Elena’ e que o cirurgião chamava-se Ricardo Moretti. Internei-me ao entardecer. Parecia que todos me esperavam, como se alguém tivesse anunciado a minha chegada e me receberam imediatamente.

Às 7 horas da manhã já estava na sala de cirurgia. Prepararam-me para a operação. Apesar da anestesia, permanecia consciente e orava ao Senhor com as mesmas palavras que Ele se dirigira ao Pai antes de morrer: "Pai, em Tuas mãos entrego o meu espírito".

A operação teve início e eu percebia tudo o que diziam. Sofria dores atrozes, mas não me lamentava; ao contrário, estava feliz de suportar tanta dor que oferecia a Jesus, uma vez que todos aqueles sofrimentos purificavam a minha alma dos meus pecados. Pouco tempo depois, adormeci.

Quando recuperei a consciência, disseram-me que havia estado três dias em coma antes de morrer. Apresentei-me diante do Trono de Deus. Via Deus não como um juiz severo, mas como um Pai afetuoso e cheio de amor. Então compreendi que o Senhor havia sido amor puro por mim desde o primeiro até o último momento da minha vida, amando-me como se eu fosse a única criatura existente sobre a terra. Mas, percebi também que eu, não somente não tinha correspondido àquele imenso amor divino, mas que o tinha totalmente negligenciado.

Eu fui condenado a duas / três horas no Purgatório.

"Mas como?” - me perguntava - somente duas / três horas? E depois posso ficar junto de Deus, amor eterno? Dei um salto de alegria e me senti um filho predileto. A visão desapareceu e me vi então no Purgatório.

As duas / três horas de Purgatório me foram dadas principalmente por ter faltado com o voto de pobreza, ou seja, por ter conservado para mim umas poucas liras, como havia dito antes.

As dores eram terríveis e não sei de onde vinham, porém as sentia intensamente. Nos sentidos com os quais eu havia ofendido mais a Deus neste mundo: os olhos, a língua ... experimentava dores tremendas e era espantoso porque, no Purgatório, cada um se sente como se tivesse corpo e conhece / reconhece os demais como ocorre no mundo.

Ainda assim, embora não tivesse passado mais que alguns momentos com tais penas, me parecia ter sido uma eternidade. O que mais faz sofrer no Purgatório não é tanto o fogo - que é muito intenso, mas o sentimento de se estar alijado de Deus, e o que é mais angustiante é saber que se teve todos os meios disponíveis para a salvação e não se utilizou deles com sabedoria.

Foi então, que pensei ir a um irmão do meu convento, para lhe pedir para rezar por mim que estava no Purgatório. Aquele irmão ficou espantado porque percebia a minha voz, mas não podia me ver e me perguntou:

"Onde você está, por que eu não lhe vejo?"

Eu insistia, vendo que não era possível chegar até ele, porque meus braços não o alcançavam. Só então me dei conta que não tinha um corpo. Contentei-me, então, em insistir com ele para que rezasse muito por mim e, assim, me tirar do Purgatório.

"Mas como?” - dizia a mim mesmo. “Não deveria estar eu somente duas / três horas no Purgatório? E já se passaram trezentos anos?” Pelo menos, assim me parecia. De repente, surgiu diante de mim a Bem-Aventurada Virgem Maria; ao vê-La, roguei insistentemente, supliquei, dizendo-Lhe: "Ó Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, alcançai-me a graça do Senhor, de retornar à terra para viver e trabalhar apenas por amor a Deus."

Corri também diante o Padre Pio e igualmente implorei: "Por suas dores excruciantes, por suas benditas chagas, Padre Pio, rogai por mim a Deus para me livrar dessas chamas e conceder-me a graça de continuar meu Purgatório na terra."

Depois, não vi mais nada, mas dei-me conta que o Padre Pio falava com a Virgem.

Momentos depois, apareceu-me de novo a Bem-aventurada Virgem Maria: era Nossa Senhora das Graças, porém vinha sem o Menino Jesus; acenou com a cabeça e sorriu. Naquele mesmo momento, tomei posse do meu corpo, abri meus olhos e estendi meus braços. Então, com um movimento brusco, me libertei do manto que me cobria. Estava feliz, eu tinha recebido a graça. A Santíssima Virgem havia me escutado.

Imediatamente a seguir, os que me assistiam e velavam, com grande susto, correram para fora da sala a chamar médicos e enfermeiras. Em poucos minutos, a clínica ficou lotada de pessoas. Todos achavam que eu era um fantasma e decidiram fechar as portas e ir embora, com grande temor a espíritos.

Na manhã seguinte, levantei-me muito bem disposto e sentei-me em uma poltrona. Apesar da porta ser cuidadosamente controlada, algumas pessoas conseguiram entrar e me pediam para lhes explicar o que tinha acontecido. Para tranquilizá-los, disse-lhes que estava para chegar o médico de plantão, o qual diria a eles o que havia acontecido comigo. Normalmente os médicos não chegariam antes das dez horas mas, esta manhã, embora não fosse ainda sete horas, disse aos presentes:

"Olhe, o médico está chegando, e agora está estacionando o carro em tal posição." Mas ninguém acreditava em mim. E eu continuava a dizer-lhes: "Agora está atravessando a rua, levando o casaco sobre o braço e passando a mão sobre a cabeça como se estivesse preocupado, não sei o que será ...”

Porém, ninguém dava crédito às minhas palavras. Então eu disse: "Para que vocês creiam que eu não estou mentindo, eu afirmo que o médico está subindo pelo elevador e está prestes a chegar à porta." Mal terminara de falar, abriu-se a porta e entrou o médico surpreendendo todos os presentes. Com lágrimas nos olhos, o médico disse:

"Sim, agora eu creio em Deus, creio na Igreja e creio no Padre Pio ...".

Aquele médico que antes não acreditava e cuja fé era como água de rosas, confessou que, naquela noite, não tinha conseguido pregar os olhos pensando na minha morte, que ele havia comprovado antes, sem dar mais detalhes. Disse que, apesar do atestado de óbito que tinha escrito, tinha voltado para se certificar de que era aquilo mesmo que tinha acontecido, já que tivera tantos pesadelos à noite, com base no fato de que aquele falecido (que era eu) não era como os demais, o que agora se confirmava efetivamente.

Conclusão: Após esta experiência, Frei Daniele realmente viveu o Purgatório nesta terra, purificando-se por meio de enfermidades, sofrimentos e dores, conformando-se sempre e em tudo com a vontade de Deus. Recordo aqui algumas operações que passou posteriormente: próstata, coliciste, aneurisma da veia abdominal com uso de prótese, operação após um  acidente de rua perto de Bolonha, além de outras dores, não somente físicas, mas também morais.

Á irmã Felicetta, que lhe perguntou como se sentia de saúde, Frei Daniele lhe confidenciou: "Minha irmã, há mais de 40 anos que não me recordo o que significa ‘estar bem’.”

Para terminar, poder-se-ia dizer que este relato de Frei Daniele é mais um episódio que prova o seu grande amor pela Virgem Maria. Frei Daniele morreu em 6 de julho de 1994. Seus restos mortais foram dispostos na Capela da enfermaria do Convento dos Capuchinhos em San Giovanni Rotondo e, ao se recitar o rosário em sufrágio de sua alma, pareceu a muitos dos presentes que Frei Daniele movia os lábios para acompanhar as ave-marias do Rosário. A voz se difundiu tão claramente que o superior, Padre Livio de Matteo, quis ter certeza de que não se tratava de morte aparente. Por tal motivo, fez trazer ao local  o Dr. Nicholas Silvestri, assistente de Medicina Legal, e o Dr. José Pasanella, também assistente de Medicina Legal, que procederam à realização de um eletrocardiograma a Frei Daniele, tomando também a temperatura do corpo, pelo que confirmaram indubitavelmente sua morte.

Frei Daniele certamente goza agora da visão beatífica de Deus e, do Céu, nos sorri, abençoa e nos protege a todos.

 

Fonte: Sendarium



 
 

ATENÇÃO! - Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.padresanto.com.br

 


     VEJA MAIS:


  FREI DANIELE E AS TRÊS HORAS DE PURGATÓRIO (119 Hits)
  O TRONO DE DEUS (191 Hits)
  JESUS, O BOM PASTOR (144 Hits)
  UM ÊXTASE DE SANTA GEMMA GALGANI (198 Hits)
  CATÓLICO MORNO (271 Hits)
  A MENINA QUE CONSOLOU O CORAÇÃO DE DEUS (348 Hits)
  ACONTECEU EM MEDJUGORJE (359 Hits)
  PÉROLAS PAROQUIAIS NAS REDES SOCIAIS (383 Hits)
  MENINA PASSOU A NOITE SOB O MANTO DE MARIA (461 Hits)
  PADRE NEGOU A COMUNHÃO A UMA SANTA (514 Hits)


 
Visitas Únicas Hoje: 123 - Total Visitas Únicas: 228813 - Usuários online: 5
2009 - www.padresanto.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Espacojames