Documento sem título




 
EIS O HOMEM E SEU SOFRIMENTO
Este artigo foi visto 254 vezes.
 

 

Eis o Homem e Seu Sofrimento

 

É notório que, nesse homem Jesus Cristo torturado, vemos sinais inquestionáveis de sofrimento. Os olhos da fé enxergam Nele o homem por excelência, aquele que foi apresentado pela arrepiante frase “Ecce Homo”, “Eis o homem”; aquele que foi visto manso e majestoso diante de Pilatos, mas que sofreu terrível flagelação, espancamentos, coroação de espinhos, subida ao Calvário carregando aos ombros a própria Cruz, crucificação como inocente e morte pela nossa redenção.

“No Sudário eu contei 370 feridas de açoites, sem considerar as laterais, que o pano não revela porque envolveu apenas a parte anterior e a posterior do Corpo. Mas podemos supor pelo menos 600 golpes. Além disso, a reconstrução tridimensional permitiu observar que, na hora da morte, o Homem do Sudário pendeu para a direita, porque o ombro direito foi deslocado de modo tão grave que lesou os nervos” (cf. Il Mattino di Padova). Quem afirma é Giulio Fanti, professor de medições mecânicas e térmicas na Universidade de Pádua e estudioso do Sudário, uma das mais enigmáticas e apaixonantes do mundo cristão (e também do mundo incrédulo).

 

A dor como mestra

 

“O homem é um aprendiz, a dor o seu mestre: ninguém se conhece a si próprio até que sofra”. Dia de dor, a Sexta-feira Santa parece reassumir em si todo o sofrimento do mundo.

O Cristo crucificado é o emblema de um tormento universal que faz olhar para Ele crentes e ateus, como dizia o escritor italiano Alfredo Oriani (1852-1909): “Crentes ou incrédulos, ninguém sabe subtrair-se ao encanto dessa figura, nenhuma dor renunciou sinceramente ao fascínio da Sua promessa”.

A dor é uma espécie de mestre que nos purifica da banalidade, da estupidez, da superficialidade, reenviando-nos para a interioridade, para as realidades que verdadeiramente contam, para a consciência, para o sentido da vida.

Esopo, o grande pensador grego e célebre contador de fábulas, cunhou um jogo de palavras, "pathèmata-mathèmata", «os sofrimentos são ensinamentos». Reencontremos, então, a capacidade de atravessar o território tenebroso da provação não com o desespero no coração, mas com a expetativa de uma aurora.

Escreve Dom Gianfranco Ravasi, cardeal italiano e presidente do Pontifício Conselho para a Cultura no Vaticano: “Também Cristo, apesar de gritar a sua extrema desolação (“Meu Deus, Meu Deus, porque Me abandonaste?”), no fim aplaca-se na confiança: “Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu espírito”. Será ainda o mesmo Alfred Musset (1810-1857) poeta, novelista e dramaturgo francês, a escrever: “Nada nos torna tão grandes como uma grande dor”.

Não há dúvida, existe um grande mistério na dor! Do nascimento a morte ela é a nossa íntima companheira. Resta tão somente a maravilhosa graça do bom Deus para nos confortar de forma imensurável.

Jamais o nosso sofrimento será igual do que passou Jesus Cristo, também jamais podemos causar tamanho sofrimento ao nosso semelhante.

 

Prof. e Padre José Inácio do Vale



 
 

ATENÇÃO! - Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.padresanto.com.br

 


     VEJA MAIS:


  ATENÇÃO, É GRAVÍSSIMO (439 Hits)
  DEZ DICAS PARA VIVER MELHOR A SANTA MISSA (332 Hits)
  EIS O HOMEM E SEU SOFRIMENTO (254 Hits)
  N. SENHORA NOS PEDE ORAÇÕES E PENITÊNCIAS (290 Hits)
  SE EU NÃO FOSSE CATÓLICO (412 Hits)
  RESUMO ESCADA DO CÉU 2018 (496 Hits)
  O QUE É A ÁGUA BENTA (453 Hits)
  SINAL NA FRONTE (497 Hits)
  O BEM, FEITO PELOS SACERDOTES (415 Hits)
  A TRIBULAÇÃO QUE PRECEDERÁ A ERA DA PAZ (527 Hits)


 
Visitas Únicas Hoje: 235 - Total Visitas Únicas: 356178 - Usuários online: 23
2009 - www.padresanto.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Espacojames