Documento sem título




 
AS BODAS DE CANÁ
Este artigo foi visto 419 vezes.
 

 

A VIRGEM MARIA RELATA À SÃO JOÃO AS BODAS DE CANÁ

 

Estávamos quase no final das bodas do filho de Manassés e Lia, um rapaz nascido depois dos outros dois dos quais te falei. Para aquela família, com tanto prestígio e tantas relações, era muito importante que não faltasse nada, que não acontecesse nenhum imprevisto que desse aos invejosos o que falar. E esse detalhe ocorreu.

Eliú, um dos criados principais e o qual eu conhecia fazia muito tempo, pois estava na casa desde que eu tive lá pela primeira vez, contou-me, com certa preocupação, que havia acabado o vinho. Em parte devia-se à crise à grande afluência de convidados, entre eles o grupo numeroso vindo com Jesus, e em parte porque haviam errado nas previsões. Se não fosse resolvido, a festa viria abaixo e seria um grande desgosto para meus dois amigos.

Eu lhes devia muito, e principalmente os amava muito. Eles estiveram sempre ao meu lado, desde aquela primeira vez em que alojei em sua casa. Quando José morreu, o apoio deles me serviu de grande consolo, o mesmo ocorrendo com sua generosidade. Eu os amava como irmãos e seus problemas eram meus problemas.

Assim, dirigi-me a meu filho. Eu não sabia o que ele iria fazer, mas sabia que era capaz de resolver qualquer problema. Percebe João, que não lhe pedi que curasse seu pai quando estava moribundo. Aquilo, por mais doloroso que fosse, estava nos planos naturais de Deus, pois a morte não é o final do caminho, mas uma travessia forçada para todos, uma travessia para uma vida melhor. Essa situação era diferente.

Poderás pensar que fui egoísta ao reclamar sua atenção para algo aparentemente tão pequeno. Jesus poderia estar fazendo milagres todos os dias em Nazaré, curando nossos vizinhos e multiplicando alimentos para que ninguém passasse fome quando o inverno se prolongava. Não fez quase nenhum. Aquela era outra época, a época do silêncio. Agora, tanto ele como eu sabíamos que havia começado o tempo da vida pública, o tempo de falar e de contar o que antes guardávamos escondido.

Assim, expus-lhe a situação. Sua primeira reação foi de surpresa. Inclusive me respondeu com um certo aborrecimento: _Ainda não chegou minha hora. Eu, que o conhecia bem, sabia que não faltava mais nada. Se João Batista lhe havia dado sinal de partida, agora, de outro modo, eu estava fazendo o mesmo.  João lhe indicara que era a hora de pregar e eu lhe dizia que havia chegado a hora de amar, inclusive com gestos extraordinários. A mensagem era coisa de João, era coisa de homens. Os favores e inclusive os milagres eram coisas minhas, algo que nós mulheres podemos entender melhor do que vós, homens, sempre preocupados muito mais com as ideias do que com aquilo que se prepara nas cozinhas.

Meu Jesus entendeu perfeitamente. Eu sabia que ele havia entendido. Assim, eu disse a Eliú que fizesse o que ele pedisse. O chefe dos criados se apresentou a Jesus e somente teve que dizer: _Tua mãe me enviou. Que queres que façamos?  Jesus balançou a cabeça, encolheu os ombros e disse rindo a seus amigos que o rodeavam: _ Quem consegue resistir ao pedido de uma mãe? O melhor será atendê-la o quanto antes, porque irá insistir até conseguir o que quer. E disse aos criados: _Enchei as talhas de água.

Eliú, que havia testemunhado anos atrás a cura do então pequeno Levi, não discutiu. Os outros criados sim, porque não entendiam o que se propunha a fazer aquele nazareno, como se enchendo as talhas de pedra, fosse possível transformar o gosto da água em sabor de vinho.

Rindo, brincando, obedeceram. _Pronto, podeis levá-las ao mestre-sala, pediu-lhes em seguida.

Já sabeis o resto, João, porque tu mesmo foste um dos que provaram daquele vinho diversas vezes até convencer-se de que era de fato verdade. Tu e todos vós.

 

Livro: pag 125-126__O Evangelho Secreto da Virgem Maria__ Editora Paulus; Autor (tradução ) : Pe. Santiago Martín. Obs : livro baseado em livro encontrado por Egeria, monja espanhola , no final do sec. IV, durante uma viagem que empreendeu à Terra Santa. Egeria, diz ter recebido de um monge grego, companheiro de São Jerônimo.

 



 
 

ATENÇÃO! - Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.padresanto.com.br

 


     VEJA MAIS:


  EU SOU O CRIADOR DE TODAS AS COISAS (43 Hits)
  AS PROVAS DE SUA PRESENÇA (116 Hits)
  EM ADORAÇÃO (103 Hits)
  APENAS QUINZE MINUTOS (140 Hits)
  O JUÍZO DIVINO (259 Hits)
  ADOTE ESPIRITUALMENTE UM BEBÊ (257 Hits)
  O MEU VIGÁRIO: VÍTIMA AGRADÁVEL A MEUS OLHOS (201 Hits)
  QUASE TODOS OS MEUS SACERDOTES SÃO DOUTORES (228 Hits)
  A DOR É UM DOM DE DEUS (252 Hits)
  JUNTO DE MIM (201 Hits)


 
Visitas Únicas Hoje: 115 - Total Visitas Únicas: 236776 - Usuários online: 10
2009 - www.padresanto.com.br - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Espacojames